Lions Clube de Belém Nazareth

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Lions Clube de Belém Nazareth "NÓS SERVIMOS"

sábado, 7 de setembro de 2013

PARABÉNS DOMADORAS



PARABÉNS! QUERIDAS e EXCELSAS DOMADORAS
"No dia em que as Domadoras fizerem greve, todos os Lions Clubes fecharão suas jaulas"

Domadora ou Companheira Leão: importante é ser mulher.
A História da Educação, através dos tempos, revelou, sem máscaras, que se tem feito, sob uma perspectiva androcêntrica, isto é, centrada na figura masculina.
Em relação à mulher, pela sua natureza e funções específicas e particulares de reprodutora da prole, com tudo o que lhe diz respeito, incluindo a gestação, o parto, a amamentação, os cuidados com os filhos, a tradição determinou que ela fosse confinada ao lar, impedida de realizar outros papéis sociais, então considerados de domínio masculino, até porque era tida como intelectual e socialmente inferior ao homem.
Essa característica de inferioridade permaneceu, mesmo em se tratando de rainhas ou princesas, relegando-se a mulher à subordinação, à passividade, à dependência, aprisionando-a a estereótipos, tais como: "a mulher é sensitiva, amorosa, altruísta, agindo com o coração e com desprendimento, sendo a sombra benfazeja do homem que é racional, impetuoso, decidido, capaz, forte e objetivo".
É interessante observar e refletir sobre como a sociedade e as sociedades complementares foram se formando, mantendo esses mesmos estereótipos em todo o mundo, nelas se incluindo os Lions Clubes.
O absurdo dessa situação, sobejamente conhecida pela humanidade, precisou vir à tona, com maior ênfase, graças às próprias necessidades sociais, a movimentos femininos e exemplos de personalidades femininas que marcaram a história, rasgando barreiras de preconceitos, fazendo presença no mundo, ganhando destaque e projeção social, sem usar as armas da hipocrisia ou da sedução.
Fatalmente, esses movimentos chegariam ao Lions que houve por bem regulamentar a admissão de mulheres como Companheiras-Leão e somente no final dos anos 80!
Entretanto, a situação em relação à mulher, embora bastante modificada, ainda permanece no mundo, quer pela resistência masculina, quer pelo comodismo feminino. Se assim não fosse, que necessidade haveria de se comemorar o "Dia Internacional da Mulher"? Indo mais além, como reagiria a sociedade se fosse comemorado o "Dia Internacional do Homem"?
Simone de Beauvoir afirma que "ninguém nasce mulher: torna-se mulher". Esse princípio exige uma postura feminina corajosa, uma consciência plena do "eu sou". De sua natureza, sobre as diferenças que existem, sim, entre homem e mulher, nenhuma delas significando inferioridade ou superioridade, todas, perfeitamente sintonizadas no melhor sentido do desenvolvimento pleno da mulher como "pessoa humana", esse conceito orientando outros como, "crer", "estar", "querer", "poder".
Assim pensando, voltamo-nos para a marcante e indispensável participação feminina no Lions, chamando a atenção para a necessidade de conscientização das mulheres em relação ao serviço leonístico que vêm prestando, examinando suas condições de atuação, suas oportunidades de realização pessoal e social, o nível de gratificação experimentado ao colaborar, ao influir, ao ajudar, ao opinar, ao executar, ao desempenhar-se por si mesmas ou em nome ou lugar de outrem.
Não é raro ouvir ou constatar registros em que existem citações do tipo: Companheiro (o nome é geralmente, completo) e sua Domadora, sem citação do nome ou somente o primeiro nome, ou, ainda, apresentação da mulher como Domadora de Fulano (sem qualquer citação de seu nome), como se fosse gratificante à mulher ser uma sombra ou ser aquela que justifica o ditado: "Atrás de um grande homem há sempre uma grande mulher".
Ainda é fato visível, existirem muitas Companheiras-Leão que permanecem ou adotam uma postura secundária nos Clubes, nas Convenções, deixando de participar de reuniões ou plenárias, assumindo uma atitude passiva perante as discussões e decisões, minimizando a importância de sua posição que lhes faculta as mesmas prerrogativas masculinas no Lions.
Há necessidade, ainda, de que a mulher, no Lions, avalie a importância das tarefas que executa, sua satisfação ou não pelos resultados auferidos, a consistência ou a improvisação de suas ações, a sobrecarga ou descompromisso impostos pelas tarefas delegadas e propor a si mesma, uma opção criteriosa que lhe outorgue ser Domadora, ser Companheira-Leão, ou deixar de ser Domadora para fazer-se Companheira Leão.
Entre uma e outra questão, vale considerar o trabalho leonístico feminino, pela resposta que for dada à questão: Até que ponto ele tem proporcionado à mulher, como pessoa diferente do homem que é, a consciência de sua independência, individualidade e realização pessoal?


LIONS CLUBE DE BELÉM NAZARETH
SETEMBRO
MÊS
DAS
DOMADORAS


Setembro tornou-se exclusivamente o 
"Mês da Domadora". 
Recorde-se que a mulher do Leão ao ingressar no Lions como Companheira Leão, não perde o nibilitante titulo de Domadora.
 Domadora é, pois, a denominação oficial no Brasil.


CL (CaL) Presidente

Solicito a gentileza de divulgar no seu Clube o texto abaixo, pelo que agradeço.
Setembro é o mês dedicado às domadoras!
Qual é o sentido deste evento numa época em as domadoras estão, cada vez mais, ingressando com companheiras-leão, como associadas de Lions Clubes?
Só quem participa do movimento leonístico há muitos anos, conhece profundamente o significado. Quando apenas os homens eram associados do Lions, suas esposas, as domadoras, participavam exaustivamente de todas as atividades sociais, comunitárias (promoviam chás, quermesses e rivas para angariar fundos de campanha; teciam enxovais infantis, visitavam creches, asilos, hospitais; organizavam jantares para as reuniões do Clube – dos homens). Enfim, dedicavam muito do seu tempo ao trabalho voluntário para acompanhar o seu leão. Muito justo e merecido que, em reconhecimento a toda essa dedicação, os leões instituíssem um período para homenagear as domadoras.
Voltando ao questionamento colocado: hoje temos no Lions domadoras, companheiras-leão e companheiras–leão/domadoras. Mudou a forma de trabalhar da domadora que se tornou associada? É claro que sim: agora ela faz tudo que fazia antes e ainda ocupa cargos no Clube. Portanto, aumentaram suas atribuições. E por quê? Porque a mulher acredita nas suas potencialidades; acredita que deva dividir seus talentos; acredita que somando forças com os homens pode melhorar sua comunidade; acredita que pode melhorar o ser humano e a humanidade. E nesta crença ganha forças para fazer tudo com amor e dedicação.
Parabéns a todas as domadoras, não só porque é setembro, mês dedicado às domadoras, mas pelo seu trabalho, pelo seu empenho, pela sua doação e pelo amor que dedica ao ser humano, através do leonismo.
Assim como nosso Governador e o Presidente Internacional, eu acredito na capacidade da mulher, seja ela domadora ou companheira-leão. E mais ainda naquela que tem a maravilhosa coragem de enfrentar também o desafio de ser associada de seu Lions Clube para sorver mais intensamente o prazer de servir!


Um grande abraço a todas.
CaL Gelsa Maria Girardi de Oliveira – Assessora Distrital de Participação da Mulher no Leonismo.




DDMM. DOMADORAS E CaL. COMPANHEIRAS LEÃO


SETEMBRO É O VOSSO MÊS


PARABÉNS, DOMADORAS DO BRASIL
do Lions Clube de Belém Nazareth
CL. André Cayuela 
                                 editor


"EM NOITE INSPIRADA"


Em noite de muita inspiração (29/09/2010 quarta-feira) o LIONS CLUBE DE FRANCA CENTRO comemorou seus 52 anos de existência e também homenageou as Domadoras e Companheiras Leão. A festividade foi bastante intima; apenas entre os companheiros que participam diretamente do dia-a-dia do clube.

 Usando da palavra o CL Luís Mendes de Oliveira proferiu as palavras abaixo em comemoração ao mês das domadoras como é comemorado no Brasil. Assim ele se manifestou:
 Em breve pesquisa ao acervo do Leonismo percebam o que localizei ligado a elas ....
 Cônjuge – Companheira Leão.
 Um Leão versado em Direito de Família, mas completamente infenso às novas denominações referentes à mulher no Lions, ao iniciar sua saudação do Governador do Distrito, preocupado com o fato de que a mulher do Leão era Companheira em Lions, e entendendo que o termo Companheira não estaria correto frente a seus conhecimentos jurídicos, assim se expressou:
 “Companheiro Governador Fulano das Quantas e sua concubina...”
 Ora, talvez o termo soasse melhor, mas é completamente destituído de qualquer razão de ser. A mulher do Governador, embora não casada, poderia ser chamada de Domadora sem quaisquer possíveis ofensas às Domadoras reais.
 Já houve um Companheiro que, ao iniciar a saudação às Domadoras no mês de setembro, explicou à Assembléia que Lions havia esquecido as Domadoras. Evidentemente elaborou em erro palmar, denotando pura ignorância.
 Ocorre que na Convenção de Porto Alegre, RS, em maio de 1961, foi aprovada a moção do Lions Clube de São Paulo Indianópolis, com aditivo do Lions Clube de Campos, estabelecendo o mês de setembro como sendo o “Mês da Domadora”, devendo os clubes homenagear, nessa data essas grandes colaboradoras do Leonismo. O mês de setembro, mês da primavera, é, pois, no Brasil, mês em que todos os Lions devem homenagear suas Domadoras.
 A título de exemplo, há a possibilidade de os Presidentes de Lions abrirem os trabalhos da Assembléia, passarem para suas Domadoras cumprirem a programação aprovada pela Diretoria do Clube, e, ao final, a Domadora do Presidente faz os agradecimentos estatutários e concede a palavra ao Presidente do Clube, que por sua vez encerrará a Assembléia. É, em nosso entendimento, uma ótima maneira de se prestigiarem nossas Domadoras!
 Como se vê, somente no Brasil existe um mês destinado a Domadoras. Em outros paises, as mulheres de Leões não têm esse privilegio.
 No caso em que a mulher seja Companheira Leão, como por exemplo, nos Lions formados somente por mulheres, o seu marido recebe o tratamento de cônjuge.
 A Domadora no Universo Leonístico.
 Para saber-se o porquê das homenagens às Domadoras no mês de setembro, é necessário perquirir-se como teria surgido no Universo leonístico nacional esse nobilitante titulo.
 Ocorre que, em sendo Lions Clube de formação americana, em que a mulher tem vida independente à do seu marido, ninguém se lembrava de estatutariamente dar condições à mulher do Leão.
 Permitam-me, pois, trazer a este encontro de Lideres, e recordar com vocês uma curiosidade leonistica que de certo todos conhecem; nada impede, contudo, trazer-lhes um novo conceito do que seja a Domadora no Universo Leonístico.
 Para inicio, devo afirmar-lhes que não se trata de Instrução Leonisticas, não, absolutamente não. Apenas, uma saudação em homenagem as Domadoras no mês de setembro.
 O termo Domadora é genuinamente nacional. É a mulher do Leão, e como tal já inserido em alguns dicionários. Sua origem deveu-se ao fato de que, presente algumas senhoras nas Convenções e em outros eventos leonisticos, os oradores, por gentileza, deveriam saudá-las.
 Como seria o tratamento a lhes ser deferido?
 Em 1954, na Convenção de Salvador, Bahia, o tratamento cerimonioso adotado foi de Senhoras Leonisticas, para depois Damas Leoas. Esta ultima designação, por incrível que pareça, fora aprovada como tratamento oficial até a Convenção de 1956, na cidade de Recife. Pernambuco, onde surgiu o malsinado tratamento de Leoas.
 Senhoras Leoas... Este termo, não foi bem aceito por alguns Convencionais, e as Senhoras presente também o repudiaram. Mesmo assim, foi aprovado com a Resolução n°08 daquela Convenção, após vários debates, em que não estavam presentes as esposas dos Convencionais, e, diga-se de passagem, eram as mais interessadas.
 Finalmente, dado o mal-estar das Senhoras Leoas e de alguns Companheiros Leões, foi aprovada na Convenção de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, em maio de 1961, a Moção do Lions Clube de São Paulo Indianópolis, com aditivo do Lions Clube de Campos, estabelecendo que o mês de setembro seria o Mês da Domadora, devendo os Clubes homenagear nessa época essas grandes colaboradoras do Leonismo Nacional. Alguns Convencionais  se manifestaram no sentido de que jamais seriam “domados” por suas mulheres, chegando a pedir demissão de seus Clubes. No entanto, o termo carinhoso perdura até hoje.
 Mas não é só. Aproveito a oportunidade para lhes perguntar se também no mês de setembro deve-se homenagear as mulheres no Lions, não Domadoras?
 Responde a essa indagação a Resolução de n° 87 do Conselho Nacional de Governadores, Ano Leonístico 97/98, com o fundamento de que a mulher sócia de um Lions Clube exerce funções executivas, como Governadora de Distrito. Membro Deliberativo, Consultiva, Assessora Nacional e Presidente de Clubes entendeu designar setembro como sendo o mês da Domadora e da Mulher no Leonismo. Tendo sido revogada pela resolução n° 107/98, do CNG, setembro tornou-se exclusivamente o Mês da Domadora. Recorde-se que a mulher do Leão ao ingressar no Lions Como Companheira, não perde o nibilitante titulo de Domadora.
 Domadora é, pois, a denominação oficial no Brasil.
 Há um Ex-Governador, que por um erro de pronuncia, dá-lhes o tratamento de Dominadoras... os demais paises adotam tratamentos diferenciados às esposas dos sócios do Clubes. Nossa proposta é informar-lhes o quer há no Universo Leonístico em relação a este tratamento e como os Leões se comportam em relação às esposas.
 Iniciemos pela Dinamarca. As senhoras dos Leões freqüentam as Assembléias festivas, mas não participam da Solenidade de Posse dos Leões.
 Na Finlândia as senhoras são convidadas para participar de algumas poucas Reuniões Especiais.
 Na Austrália, as senhoras não são convidadas por seus Leões à Mesa Principal.
 No Japão e na China, as mulheres se igualam aos Leões e são madrinhas das novas Domadoras. Agora, com o advento da Mulher Sócia de Lions Clube, esses dois paises congregam em seus quadros sociais um numero razoável de Companheiras em Lions.
 Na Suíça, as senhoras vão às reuniões, mas não tomam parte em quaisquer atividades do Clube e nem fazem uso da palavra.
 No Egito, elas não usam distintivo de Lions.
 Na Grécia, as mulheres são proibidas de fazer campanhas.
 Na Índia, não participam da parte social dos clubes.
 Quando o LC-5, Governadoria 89/90, teve a oportunidade de recepcionar o 2º Vice-Presidente Internacional Meth em visita oficial ocorrida em Campinas, todos perceberam o constrangimento da Sra Asha, com a presença das nossas Domadoras naquele Evento Leonístico.
 Nos Estados Unidos, as senhoras não tomam parte das atividades dos Leões. Só eles fazem campanhas e promoções no clube.
 Conta-se que na Finlândia os Leões estavam preparando a Arvore de Natal e cada um encarregado de uma atividade. Ocorreu que não havia ninguém capacitado para preparar os enfeites da arvore. Um Leão, então, sugeriu ao Presidente que sua mulher bem poderia fazer os enfeites, pois trabalhava numa loja de confecção. A resposta veio de imediato, do Presidente exasperado: “Se sua mulher fizer os enfeites, as demais senhoras vão tomar parte, durante, nas campanhas e promoções do nosso Clube, tomarão o nosso lugar, e nós ficaremos sem ter o que fazer...”
 E no Brasil ?
 Pasmem todos:
 No dia em que as Domadoras fizerem greve, todos os Lions Clubes fecharão suas jaulas.

Colaboração - CL. André Cayuela 
editor